Lei de Adoração

“Em que consiste a adoração?

Na elevação do pensamento a Deus. Deste, pela adoração, aproxima o homem de sua alma.”

(O Livro dos Espíritos, questão 649)

O vocábulo adoração significa, segundo o Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, “ato ou efeito de adorar, que está intimamente relacionado à palavra veneração, culto que se rende a alguém ou algo considerado divindade. No sentido vulgar do termo, adorar traduz-se como prestar culto à divindade”.

Ora, se vamos render culto ao “Divino”, necessitamos de uma referência, de “alguém ou algo considerado divindade”.

Allan Kardec inquiriu, na questão de número 625, os benfeitores espirituais como se segue:

– “Qual o tipo mais perfeito que Deus já ofereceu ao homem para lhe servir de guia e modelo?”

A resposta é a mais curta de todo o Livro dos Espíritos:

– “Jesus.”

Kardec destaca que “para o homem, Jesus constitui o tipo da perfeição moral a que a Humanidade pode aspirar na Terra. Deus no-lo oferece como o mais perfeito modelo, e a doutrina que ensinou é a expressão mais pura da lei do Senhor, porque o espírito divino o animava, e porque foi o ser mais puro de quantos têm aparecido na Terra”.

E o que nos dizem os benfeitores espirituais sobre adoração em o Livro dos Espíritos:

– “A adoração está na lei natural, pois resulta de um sentimento inato no homem. Por essa razão é que existe entre todos os povos, se bem que sob formas diferentes.”

– “A adoração verdadeira é do coração.”

– “Reunidos pela comunhão dos pensamentos e dos sentimentos, mais força têm os homens para atrair a si os Espíritos bons.”

– “A prece é sempre agradável a Deus, quando ditada pelo coração, pois, para ele, a intenção é tudo.”

– “A prece é um ato de adoração. Orar a Deus é pensar nele; é aproximar-se dele; é pôr-se em comunicação com ele. Três coisas podemos propor-nos por meio da prece: louvar, pedir, agradecer.”

– “O essencial não é orar muito, mas orar bem.”

– “Deus abençoa sempre os que fazem o bem. O melhor meio de honrá-lo consiste em minorar os sofrimentos dos pobres e dos aflitos.”

– “O homem que se atém às exterioridades e não ao coração é um espírito de vistas acanhadas.”

No próximo artigo vamos conhecer um pouco mais sobre a “Lei do Trabalho”.

Por Moacir Wilson De Sá Ferreira

Veja o artigo anterior – Lei Divina ou Natural

Veja o próximo artigo – Lei do Trabalho

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.